Add in Facebook

06 fevereiro 2012

A Pomba de Cedovim

História do amor proibido de Anna Ludovina

Foto dos estúdios WERNER & SON
Dublin (cerca de 1820).

Anna Ludovina tinha 19 anos quando fugiu pela janela da Casa de Nossa Senhora da Conceição, em Cedovim, Vila Nova de Foz Côa, em 1813. Donzela de origem fidalga, abdicou das promessas de um título aristocrático rural para viver um amor que lhe custou a herança e uma vida de privações... 

Quando, na segunda metade do século XVIII, o jovem Francisco Teixeira fazia acrobacias equestres em frente da janela da filha de D. Pais de Sande, dono de um palácio senhorial às portas de S. João da Pesqueira, este fez-lhe saber que «o pombal de Cedovim não era digno das pombas da Casa do Cabo...»

Francisco Xavier Teixeira tinha, porém, uma origem nobre, e agastado com esta recusa juntou um exército de pedreiros e mandou reconstruir a sua casa, ampliando-a até a transformar num dos mais vistosos solares setecentistas do Douro e Beira Interior. Ao todo, consta que o edifício ficou com 366 portas e janelas, e na fachada principal foi gravado em pedra o Brasão de Armas dos Teixeiras e Aguilar. Nos princípios de 1800, D. Francisco Teixeira Rebelo Bravo Cardoso Pacheco de Aguilar, descendente de Francisco Xavier, era Capitão-Mor de Castro Daire, Senhor das Casas e Morgados de Cedovim e Moço Fidalgo da Casa Real (mais tarde Cavaleiro, por alvará de D. João VI). Juntamente com a sua esposa, Maria Ludovina de Lemos Alvim e Carvalho, possuíam um vasto lote de terras de origem feudal.

Casa de Nossa Senhora da Conceição - Cedovim

Entre Dezembro de 1812 e Fevereiro de 1813, quando se esperava a entrada das tropas de Napoleão por território duriense, a então Casa de Nossa Senhora da Conceição, em Cedovim, como também a Casa do Cabo, de S. João da Pesqueira, e outras famosas moradias da região, foram abrigo dos soldados ingleses que vieram engrossar o contingente português. Ciosa de um destino nobre para as suas três filhas solteiras, Dona Maria Ludovina tentou protegê-las dos olhares dos jovens soldados ao serviço de Sir William Anson, que liderava o 40º Regimento britânico, aquartelado em Cedovim com o intuito de impedir os franceses de criarem aqui — entre o Minho e o Douro — a Lusitânia Setentrional, destinada a ser governada pela Infanta Maria Luísa Josefa, filha de Carlos IV de Espanha. E se às duas filhas mais velhas couberam casamentos que lhes deram títulos e mordomias (Maria do Carmo veio a ser Condessa de Samodães e Maria Josefa Baronesa de Fornos), à mais nova, Anna Ludovina — uma bonita donzela com apenas 19 anos — haveria de caber destino bastante diverso.

Por essa altura, todos os dias Dona Maria Ludovina saía de sua casa com as três filhas numa imponente liteira em direcção à capela de Cedovim. Não se sabendo bem porquê, um jovem tenente de origem irlandesa, Waldron Kelly, tornou-se devoto praticante, apesar das reservas de Sir Arthur Wellesley (comandante supremo, que haveria de ser Duque de Wellington, Marquês e Barão do Douro), a quem não agradava a interferência dos padres portugueses junto das suas tropas para os ofícios da santa missa.

Porque decerto — apesar de todas as restrições — não terá escapado ao oficial de Dublin a desconcertante beleza da filha mais nova dos Teixeiras e Aguilar, em pouco tempo Waldron Kelly e Anna Ludovina passaram a trocar clandestinas promessas de amor, frutos de uma paixão consumada.



Porém, a turbulência em volta dos destinos do exército britânico ao serviço da Coroa portuguesa prometia sucessivos afastamentos. Assim, quando o tenente Kelly se preparava para uma missão militar longe de Cedovim, aproveitando a ocasião de um baile militar em Figueira de Castelo Rodrigo, dirigiu-se a casa de Anna com dois cúmplices e, conforme previamente haviam combinado, na noite de 13 para 14 de Março de 1813 esperou-a com uma escada por baixo de uma das janelas do seu quarto. Aproveitando a calada da noite, fugiram a cavalo para Mata de Lobos, perto da região fronteiriça de La Fregeneda, onde o exército estava em expectativa.

Furiosa, Dona Maria Ludovina moveu-lhes cerrada perseguição, e ao tenente irlandês não restou mais do que ser detido porque os seus superiores achavam que ele «deveria estar a pensar em coisas mais importantes do que em casamentos».

O Duque de Wellington esteve pessoalmente envolvido na defesa dos interesses da mãe da jovem Ludovina, e solicitou explicações aos seus subordinados, que lhe foram dadas em carta datada de 19 de Março: «Sir, a mãe da donzela levada de casa pelo tenente Kelly do 40º Regimento queixou-se da sua conduta e pediu a minha ajuda para retirar a filha dessa situação de desgraça em que agora está colocada. Consenti em intervir, com a condição e promessa da parte dela, de que a rapariga não será confinada a um convento. Junto remeto a carta da senhora, na qual ela se compromete a cumprir essa disposição, e peço-lhe para chamar o tenente Kelly para devolver a menina à sua família...» (assinado pelo major-general Sir Lowry Galbraith Cole, futuro governador do Cabo da Boa Esperança).


O que se passou a seguir foi uma vertiginosa sucessão de factos mais ou menos previsíveis. Dona Maria Ludovina prometeu a intervenção da Coroa para punir os prevaricadores e chegou a ameaçar pessoalmente o Duque de Wellington. Em sua casa, mandou emparedar as duas janelas do quarto da filha proscrita, supondo que conseguiria reavê-la e expô-la à clausura. E embora acreditando poder proibir o casamento em qualquer das igrejas da região, o certo é que Anna Ludovina e o tenente Waldron Kelly contraíram matrimónio, a 22 desse mesmo mês de Março, na igreja de Figueira de Castelo Rodrigo, com a bênção de João Gomes, então capelão do exército português.

Cumprindo-se uma das mais violentas promessas de Dona Maria Ludovina, a 25 de Maio desse mesmo ano de 1813 foi decretada em Lisboa a ordem de expulsão do Padre João José Gomes do Serviço Real, «por conduta imprópria». Quanto a Anna, estava definitivamente deserdada.



EPÍLOGO

Anna Ludovina seguiu com regularidade o seu marido nas diversas campanhas do exército britânico: Victoria, Zabaldica e Pirinéus, Toulouse, New Orleans (quando o armistício na América já havia sido assinado) e Waterloo. Fiel ao casamento, teve sete filhos, até que Waldron Kelly — já capitão — decidiu afastar-se da carreira militar para se dedicar a uma propriedade agrícola que arrendaram em Maudlin Cottage, no Condado de Kildare, Irlanda.

Entretanto, os negócios agrícolas da família Kelly ruíram e o antigo oficial do exército britânico abandonou a esposa para se juntar com outra mulher, clandestinamente, de quem teve filhos. Partiu mais tarde para a Jamaica, onde viria a morrer com 55 anos de idade, em 1836.

Anna Ludovina de Lemos Pacheco Teixeira de Aguilar Kelly só soube da morte do seu único marido onze anos mais tarde. Passou por diversas privações (chegou a vir a Portugal reclamar parte da herança após a morte do pai, mas sem sucesso), até que conseguiu da própria rainha Victoria, ainda com a interferência do Duque de Wellington, uma pensão mensal de 50 libras. Já praticamente cega, faleceu de bronquite aos 89 anos, a 4 de Abril de 1883, e foi sepultada no cemitério de Glasnevin, em Dublin.

Abandonada e em ruínas, a famosa Casa de Nossa Senhora da Conceição ostenta ainda hoje emparedadas as duas janelas do quarto de Anna, como símbolo da clausura que estava destinada à 'pomba libertina' dos senhores de Cedovim... 

Por muitos anos constou ainda, em toda a região, que a donzela havia sido raptada, mentira que conviria à família para encobrir a vergonha.



_________________________________________________________________________

Fonte: http://www.anterodealda.com/blog/blog_a_pomba_de_cedovim.htm
_________________________________________________________________________

Agradecimentos:
A Antero de Alda pela partilha deste texto (www.anterodealda.com).
A António José Peralta Pereira, presidente da Junta de Freguesia de Cedovim,  pela colaboração prestada na pesquisa sobre este tema.
À Alexandra Rocha por ter falado sobre o tema o que fez desencadear a nossa busca.
_________________________________________________________________________

Notas:
1 - Mais detalhes sobre este assunto em:
http://historiasdaminhafamilia.blogspot.com/2009/09/historia-da-minha-4-avo-ana-ludovina.html
2 - Em 2007 o imóvel encontrava-se à venda (http://www.moo.pt/imoveis/100000061934.htm)
_________________________________________________________________________

0 comentários:

Enviar um comentário